segunda-feira, 13 de junho de 2016

SEM LEVANTE POPULAR O GOLPE JURÍDICO-POLÍTICO E PARLAMENTAR JÁ PREVALECEU.

"Uma revolução não é um mar de rosas. É uma luta de morte entre o futuro e o passado."
                                                       Fidel Castro


Acreditar que o golpe será revertido na votação no Plenário do Senado Federal em agosto é de uma ingenuidade cândida, pura e inocente.
Os senadores que votaram pela admissibilidade do impeachment no senado o fizeram por interesses escusos via negociatas nos porões do submundo da política nacional.
Os interesses privados e particulares dos senhores senadores transcendem aos interesses coletivos e nacionais, a única coisa que lhes movem é o interesse comum pelo fim da Operação Lava Jato.
Pela via republicana o golpe jamais será revertido, só o povo se imbuindo da verdade que todo poder emana dele e em seu nome deve ser exercido é que poderemos impor derrota aos golpistas.
Sem um levante popular de grande proporção o atual quadro de retrocesso político, social e econômico que Temer impôs a nação só vai ganhar corpo devido a passividade e falta de resistência do povo brasileiro.

Ah se meu povo fosse aquele povo dos livros de História da Bahia que aprendi nos meus primeiros anos de escola dos tempos da Revolução Liberal dos Portos, da Conjuração Baiana e tantas outras...
Que a Praça da Piedade seja um novo palco de confronto entre o regime autoritário e ilegitimo e legalistas do dia 12 de novembro de 1821.

A indiferença popular é o fertilizante para a prevalência dos interesses de poucos sobre os interesses da coletividade.

E neste ínterim o presidente golpista interino, Michel Temer, usa de ardil e convida todos os ex-presidentes da República para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.
O PT que errou tanto com suas alianças esdruxulas é bem capaz de aceitar este convite malicioso que tem um só objetivo:
- Quando a sonora vaia for dirigida ao camarote das autoridades brasileiras com a presença de Lula e Dilma vai servir para confundir os assistentes no local ou pela televisão para quem, de fato, as vaias estarão sendo dirigidas para Lula, Dilma ou Temer?
Em situações de guerra se procura dividir os inimigos para poder conquistá-los mas na política os reúne para confundir.


José Carvalho, Salvador, junho de 2016.