quinta-feira, 27 de agosto de 2015

QUANDO O POBRE SÓ MUDA DE DONO............

As politicas fiscal e monetária postas em prática pelo ministro da fazenda através das edições das MP's 664 e 665 em dezembro de 2014, preserva os interesses do grande capital rentista em prejuízo de quem não tem como se defender das oscilações da economia.
O mote do Palácio do Planalto é que em razão de um Congresso Nacional conservador desde 1964, quebrar paradigmas de ajustes econômicos dentro dos padrões como sempre foram feitos no Brasil é impossível.
Não, não é impossível já dizia Albert Einstein:
" Algo só é impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário"
E o antropólogo Darcy Ribeiro completa:
" Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar"
A presidenta Dilma optou em se resignar, ser tímida e covarde em suas iniciativas para fazer diferente do que sempre foi feito neste país.
Auditar a dívida publica interna, taxar as grandes fortunas e heranças,usar o Carf para cobrar os sonegadores de impostos, enxugar o excesso de ministérios e secretarias são algumas das opções para cumprir metas do superávit primário - o que falta é coragem para encarar a crise.
O caminho mais fácil é o que mais causam prejuízos políticos e em 2016 teremos eleições municipais e como a presidenta antecipou será um ano difícil, inclusive, com redução da participação do PT em prefeituras e legislativos municipais.
Assim como àqueles que estão no poder só procuram olhar para o próprio umbigo, o eleitor vai saber responder baseado em seu instinto de autopreservação ao que ele está disposto a defender.
José Carvalho, Salvador, agosto de 2015.