segunda-feira, 22 de agosto de 2016

IMPEDIR A VITÓRIA DE LULA EM 2018 E O SEU ASSASSINATO É ALGO POTENCIALMENTE ACEITO.

O ex-presidente Lula termina o seu primeiro mandato com 77% de aprovação do seu governo e a aprovação pessoal em 85%, um recorde, e em 2010 quando termina o seu segundo mandato Lula bate o próprio recorde e alcança 80% de aprovação do seu governo e de 87% a avaliação pessoal.
Com percentuais tão significativos Lula acaba se tornando um ícone da política nacional e internacional devido a projeção geopolítica expressiva que o Brasil teve durante os seus 8 anos de governo.
Com todo este cacife eleitoral o ex-presidente fez a sua sucessora, uma mulher, ao eleger Dilma Roussef a primeira presidenta da República Federativa do Brasil.
Este exitoso desempenho de governo e avaliação pessoal que o levou a fazer a sua sucessora acaba por preocupar os setores mais conservadores da política e do capital nacional.
Diante da perceptível preocupação das elites do país algo teria que ser feito para inviabilizar a continuidade de governos petistas e no primeiro momento foi feito o uso do sofisma "é preciso haver alternância de poder",exceto, em São Paulo - claro!
Mas devido a grande dificuldade em convencer o maior numero de pessoas quanto a este argumento falacioso foi preciso buscar nos vícios históricos da politica nacional um meio para desconstruir a imagem do PT e,principalmente, de Lula.
Haja vista que, um ícone político só pode ser destruído atingindo a sua reputação, não há outra forma ou alternativa a fim de se alcançar este objetivo.
O processo de desconstrução das imagens de Lula e do PT tem início com a chamada AP 470 ou Mensalão do PT ocorrido durante o 2º mandato de Lula mas como sabemos não impediu a continuidade do projeto de governo do PT e nem arranhou a reputação de Lula, depois veio o livro fracasso de venda de título "Assassinato de Reputações" e mais uma vez a manobra da direita fracassa mas ainda,assim, era preciso acabar com o conceito moral de Lula e ai surge a "Operação Pega Lula" ou, simplesmente, Operação Lava Jato que desde de 2009 quando teve início a operação o juiz Sérgio Moro tem perseguido obstinadamente este objetivo, desconstruir a reputação de Lula mas sem êxito o ataque muda de flanco e o ex´presidente e a legitima mandatária do país Dilma Roussef passam a ser investigados por crime de obstrução a justiça.
E se ainda assim o ex-presidente Lula não cair nas pesquisas de intenções de voto para 2018 e sem conseguir provar nada substancialmente contra a sua pessoa a fim de torná-lo inelegível só resta,então, o Plano "C" - o seu assassinato.
José Carvalho, Salvador, agosto de 2016.