segunda-feira, 15 de agosto de 2016

SÓ HÁ DUAS OPÇÕES PARA QUE O GOLPE JURÍDICO-PARLAMENTAR NÃO PREVALEÇA NO BRASIL.

Só há duas opções reais e concretas para que o golpe jurídico-parlamentar sofra um revés considerável para a sua desconstrução.
Entre as opções o judiciário na imagem do STF nem ao largo passa por ela, haja vista que, todos os golpes de Estado ocorridos no país tiveram o crivo da Suprema Corte Brasileira.
Uma das opções seria um "novo" general Henrique Lott que desencadeou um movimento militar que garantiu a posse de JK ao derrotar a Revolta de Jacareacanga que foi de outubro de 1955 até janeiro de 1956, os militares golpistas não aceitavam a vitória de Juscelino por considerá-lo "inadequado" ao Brasil.
E embora o Juscelino Kubitschek estivesse concorrendo com o general Juarez Távora à presidência da República, o que pesou na decisão do general Lott o contra-golpe foi o seu espírito legalista, ele queria o respeito às urnas e a vontade soberana do povo brasileiro - e é bom que se registre que a vitória de Juscelino sobre o seu oponente foi estreita o mesmo que entre Dilma e o lisérgico Aécio.
A segunda opção seria um levante popular semelhante ao ocorrido na Turquia em julho deste ano.
No resto é pura ilusão acreditar em outras opções de saída para derrubar o golpe da facção "Grande Acordo Nacional".
José Carvalho, Salvador, agosto de 2016.