segunda-feira, 7 de março de 2016

MAIS OPOSIÇÃO E MENOS BRASIL.

A militância petista tem combatido as investidas da direita a fim de encurtar o mandato da presidenta Dilma Rousseff e acaba se esquecendo que a substituição de Levy por Barbosa foi como efetuar uma  trocar de 6 por 1/2 duzia.

Porque nada mudou quanto aos fundamentos da política econômica do governo, a politica cambial para manter a alta do dólar com o proposito de tornar os  produtos brasileiros mais competitivos e fortalecer o consumo e o turismo interno e que aliada a altas taxas de juros Selic têm se mostrados ineficazes para o controle do espiral inflacionário e retomada do crescimento econômico.

Pelo contrário, junta-se uma inflação estrutural com uma inflação de custos a prole advinda desta junção é a estagflação, um fenômeno econômico temido por todos os economista do planeta.

A impressão que tenho é que o Planalto não sabe o que fazer diante de tão grave dilema e a conclusão que posso tirar  é que o governo espera por um milagre ou uma solução de fora para dentro.

É claro que a crise política tem engessado as ações do governo federal em busca de soluções mais realista para a crise econômica brasileira.

Falta aos políticos do Congresso Nacional o sentimento de nação, de identidade com o seu país e colocar seus interesses privados e particular em um plano menor que o projeto de nação - os políticos da oposição deixam transparecer que são filhos bastardos destituídos do sentimento de nacionalidade e agindo assim, quanto pior, melhor.

José Carvalho, Salvador, março de 2016.