quinta-feira, 4 de junho de 2015

EUA: O IMPÉRIO CONTRA-ATACA OS BRICS.

A história da humanidade nos ensina quem é império, quer continuar sendo império, foi assim com o Império Babilônico, Persa, Grego, Romano e com o Império Estadunidense não é diferente.

Desde que a China ao final do século passado se projetou para o mundo como potência política, econômica e militar a fim de recuperar o status-quo geopolítico que tinha até o final da segunda metade do século XVIII de grande potência mundial  como Zhong Guo ou País do Meio.

O governo chinês adotou dois sistemas econômicos para alavancar a sua economia o assim  chamado   economia socialista de mercado, um misto de liberalismo econômico na atração de capitais e seletivo protecionismo no seu desenvolvimento industrial com um único sistema político.

A China tem uma agenda política para tornar as discussões e decisões internacionais multipolar a fim de quebrar o paradigma pós-fim Guerra Fria da hegemonia norte americana sobre o planeta sem a necessidade de confrontos no campo ideológico ou militar - uma guerra sem o uso de armas para desbancar a arrogância imperial estadunidense sobre os demais povos do mundo.

Com média de crescimento econômico por volta dos 9% ao ano e PIB de US$10,4 trilhões em 2014 correspondentes a 15% da economia mundial, o que lhe possibilita uma abundante formação de capital próprio.

Capital próprio abundante que permitiu articular juntamente com o Brasil,  Índia e a África do Sul o Banco dos Brics ou Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), anunciado em Fortaleza em 2014  e no ultimo dia 3 de junho foi aprovado pelo Congresso de todos os países membros a criação do NBD que agora existe de fato, saiu do papel.

E expandido ainda mais a sua influência sobre a economia mundial a China cria o BAD, Banco Asiático de Desenvolvimento ou AIIB em inglês, junto com 44 países e entre eles o Brasil como membro fundador da instituição.

Como disse o jornalista Fernando Brito do Tijolaço em sua matéria sobre as aspirações chinesas com a criação do NBD e do BAD:

"Nesta década, ela, a China, assumiu abertamente que quer fazê-lo através de um processo de cooperação muito mais comercial que financeiro, ao contrário dos EUA que sempre pretenderam o controle das economias internas dos países, quando não dos próprios países."

Como era de se esperar a postura do Império Norte Americano diante da engenharia geopolítica de Pequim para minar a sua hegemonia  mundial não foi recebida com passividade e falta de resistência por Washington, D.C, o site Wikileaks liberou informações ontem, dia 03/06, os planos secretos da Casa Branca para neutralizar a China e os seus parceiros, Rússia, Índia, África do Sul e Brasil através dos 3 "T" as ações: 

1º "T":  Tratado Transpacífico, TPP (com o Japão, Austrália e outros parceiros, bloqueando a China);
2º "T": Tratado Transatlântico, (com a Europa, sitiando a Rússia); e
3º "T": Tratado sobre Serviços,TiSA,  (englobando todos e mais alguns – com destaque para Israel),impondo integração total em comércio e finanças.

É o Destino Manifesto Norte Americano posto em prática, ler sobre o assunto em meu Blog chamado "O Destino Manifesto: Todo Poder Emana dos EUA" do dia 29 de março de 2015. 
José Carvalho, Salvador, junho de 2015.