terça-feira, 15 de setembro de 2015

JOAQUIM LEVY E A POLITICA DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA DO PEGA-VARETAS.

Tenho dito que a politia fiscal e monetária posta em prática pelo ministro da Fazenda Joaquim Levy, nada mais é que os velhos receituários recessivos e opressores do FMI que os brasileiros tantos conhecem.
A violência do ajuste macroeconômico, visa, como sempre visou, atender aos interesses dos rentistas nacionais e transnacionais fazendo de conta que a preocupação é com o povo.
Já dizia o rei Salomão:
"...a voz do povo ninguém ouve.."
Se ouvisse, a insatisfação popular com a atual conjuntura econômica já teria mudado - o povo é invisível para quem governa, exceto em ano eleitoral - mas bastou a nota de rebaixamento no rating da agência Stardard & Poor's inviabilizando investimentos no Brasil e por em duvida a capacidade do país em honrar seus compromissos com a banca nacional e internacional através do seu Fundo Soberano que o Planalto entrou em polvorosa.
A politica de cortar despesas e gastos do governo em outras palavras é:
- Parem de crescer, de investir e de atender as demandas sociais e paguem o que me devem.
Frase típica dos agiotas.
E neste mantra de cortar daqui e dali em um espiral que parece sem fim, o ministro Levy deixa transparecer que deixou toda a sua carga de conhecimento sobre economia adquirido na Escola de Chicago em troca da lúdica solução do "Jogo de Pega Varetas".
E todos sabem como funcionava o tal jogo, as varetas vão acabar -  cortar, cortar e cortar gastos e despesas e no final vai  faltar varetas para se cortar.
Quando isso ocorrer os salários, renda dos trabalhadores e os programas sociais serão a bola da vez.
A presidenta Dilma Roussef pode ser inflexível,durona e obstinada com os seus ministros, secretários e o Congresso Nacional mas como o seu empregador, o seu patrão que é o povo,não!
Se o povo não sair às ruas e dizer para o Planalto quem manda, as coisas só vão piorar.
José Carvalho, Salvador, setembro de 2015.