sábado, 2 de maio de 2015

A VIOLÊNCIA CONTRA OS PROFESSORES NO PARANÁ: FEDERALIZAR O DEBATE PARA COBRAR EM 2016.

Se costuma dizer que o brasileiro tem memória curta, só se recorda de fatos recentes.

Em parte este é um pensamento verdadeiro não por conta de problemas com o processo mental cognitivo do brasileiro mas em razão da sua principal fonte de informação ser a imprensa falada - rádio ou televisão.

O brasileiro pouco lê e quando ler não entende o que leu - e a leitura ainda é o melhor exercício para estimular a memória.

Sendo, assim, a sua memorização de fatos vai depender da quantidade de vezes que for repetido pela grande mídia - se parar, cai no ostracismo.

Por isso se faz necessário até as próximas Eleições de 2016 se manter viva a lembrança da violência contra os professores do Estado do Paraná e em São Paulo,inclusive,  para não cair no esquecimento.

Pois é na urna que iremos mostrar para os  tucanos a nível nacional a nossa reprovação a violência praticada contra os formadores de médicos, engenheiros, advogados,economistas,cientistas e etc.

E o voto de desaprovação do eleitor é a fatura de cobrança que podemos mandar para o  PSDB.

                         "Somos todos os professores do Paraná"

José Carvalho, Salvador, maio de 2015.