quarta-feira, 6 de maio de 2015

QUANDO O INSTINTO DE AUTO-PRESERVAÇÃO É MAIOR QUE O REDUCIONISMO: DIREITA X ESQUERDA.

As políticas de ajuste econômico do governo produz um custo social muito alto e tem preocupado os trabalhadores mais do que a aprovação da PL 4.330/2004.
Uma política econômica contracionista onde pesou para a sua implementação foi a lei do mais forte, dos donos do grande capital, em prejuízo dos trabalhadores e dos pequenos e médios empresário - pratica recorrente em todos os governos antes do PT.
A timidez do governo para não dizer "covardia" era que o atual Congresso Nacional é o mais conservador desde 1964.

E nacionalizar o receituário do FMI para se conseguir os superávit primário foi a solução a fim de pagar os juros da dívida publica a banqueiros nacionais e transnacionais e demais credores que nada mais são do que parasitários e espoliadores de nações.
Ao privilegiar o pagamento da dívida publica aos direitos sociais dos brasileiros a presidenta Dilma Rousseff fez uma escolha míope e equivocada.
Alternativas e variáveis para o enfrentamento do ajuste das Contas Nacionais existiram e existem e são amplamente do conhecimento do Palácio do Planalto.
Mas tudo passa pela vontade política,coragem e determinação do governo em fazer o que deve ser feito para quebrar este paradigma durante os períodos de turbulência econômica o peso maior sempre recair sobre os ombros dos trabalhadores e do setor de serviços - e diga-se de passagem que foi o consumo dos trabalhadores e do setor de serviços que salvaram a nossa economia até 2013.
A presidenta deveria dispensar os seus livros de cabeceira e passar a meditar de dia e de noite nesta frase de Albert Einstein para ver se o ânimo e coragem lhe vem ao coração e dominem o seu espirito e mente.
Quando o que está em jogo é a sobrevivência a militância política perde lugar para o instinto de auto-preservação e é por isso que vozes dissonantes tem crescido dentro da militância petista.
Não é uma decisão nada fácil mudar as regras do jogo diante de um Congresso Nacional formado na sua grande maioria por canalhas e aproveitadores políticos que não estão nem ai para os interesses do povo brasileiro, se valem da fraqueza do governo para vender uma imagem daquilo que eles não,  defensores do povo.
Costumo dizer que a História pode condenar ou absolver personagens históricos como Stalin, Pol Pot, Mao e Tsé-Tung que na falta de paciência e espírito democrático prefeririam lhe dar com os Eduardos Cunhas, os Renans Calheiros, os Aécios Neves, os FHC's, os Ronaldos Caiados "et alii" da época da melhor forma que lhes garantissem condições de trabalho.
José Carvalho, Salvador, maio de 2015.