terça-feira, 31 de março de 2015

31 DE MARÇO DE 1964: GOLPE OU CONTRAGOLPE?


CONTRAGOLPE: INTERESSES POLÍTICOS E ECONÔMICOS.
GOLPE: FATO HISTÓRICO.
As páginas da História são escritas de acordo com os interesses das classes dominantes e historicamente a burguesia, o clero e o exercito desde os primórdios da sociedade representavam o poder sobre o resto da população.
Impossível falar sobre o Golpe de 64 sem citar a CIA e os interesses geopolíticos estadunidense e o período da Guerra Fria, onde a Casa Branca e o Kremlin disputavam a sua assimetria politico-ideológico e militar palmo-a-palmo sobre o planeta.
Depois do fiasco da Invasão da Baía dos Porcos em Cuba em abril de 1961 e a reboque a Crise dos Mísseis de Cuba em Outubro de 1962, a Casa Branca colocou as suas "barbas" de molho.
Assim, passou a monitorar todos os seus vizinhos do continente - segundo o Wikileaks essa prática ainda continua - a politica adotada foi a ingerência em assuntos internos dos seus vizinhos a fim de derrubar governos cujos os interesses ideológicos não se coadunavam com os de Washington D.C e colocar líderes no poder alinhados com a sua estratégia de hegemonia de poder global.
Se aproveitando da fraqueza do governo de João Goulart que hora declinava para um governo mais progressistas e outra hora para um governo elitista pró-EUA - com isso, os interesses econômicos da burguesia industrial brasileira unidos a interesses políticos da época encontraram na CIA o álibi perfeito para exigir dos militares brasileiros o golpe.
Ai veio o padre irlandês de ascendência norte americana, Patrick Peyton, que financiado pela CIA articulou a Marcha da Família para servir como estopim para o golpe.
Como alguém já disse:
A opinião é livre mas apresentar fatos é obrigação.
O que ocorreu no dia 31 de março de 1964 foi um golpe contra a democracia e o estado democrático de direito.
Mas graças a Deus a Fundação Perseu Abramo e o Ibope publicaram pesquisas dizendo que entre os manifestante dos dias 13 e 15 de março cerca de 84%, em média, concordaram que “a democracia é sempre melhor do que qualquer outra forma de governo”.
Viva a democracia!!!!
José Carvalho, Salvador, março de 2015.