domingo, 29 de março de 2015

DILMA VANA ROUSSEFF: TERRORISTA OU GUERRILHEIRA DA RESISTÊNCIA?

DILMA VANA ROUSSEFF:
TERRORISTA OU GUERRILHEIRA DA RESISTÊNCIA?
As páginas da História são escritas de acordo com os interesses da classe dominante, ou seja, um vilão segundo o critério que lhe convém pode vir a ser um herói ou vice-versa.
No dia 31 de março de 1964 os militares brasileiros romperam com o processo democrático em vigor no país e estabeleceram um governo ilegitimo, autoritário e arbitrário.
Este governo ilegitimo, não reconhecido , permitiu a sublevação popular de acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Entre os brasileiros que se rebelaram contra o regime ilegitimo dos militares, estava Dilma Vana Roussef com a sua organização VAR-PALMARES.
A VAR-PALMARES era uma milicia armada e como dizia Nelson Mandela:
- Você não pode combater um regime opressor e armado apenas com o discurso pacifista.
Os embates de guerrilha urbana foram inevitáveis e em uma luta desigual, a resistência sofria as agruras das torturas nos porões do DOI-CODI, DOPS e sabe lá Deus aonde mais.
As mulheres às vezes eram torturadas com ratos vivos colocados em suas genitálias, bem como, os homens também sofriam descargas elétricas em sua genitália entre outras atrocidades e barbaridades desumanas.
As baixas foram desproporcionalmente maiores na resistência armada brasileira.
A militante Dilma esteve várias vezes a beira da morte mas sobreviveu, sobreviveu para continuar lutando por uma sociedade mais justa e menos desigual.
Contudo, a guerrilheira Dilma Vana Rousssef ainda hoje é perseguida por torturadores.
Mas eles hoje não usam mais fardas e nem fuzis.
As suas armas são outras, são os microfones de um programa de rádio, as câmaras de uma tevê, o teclado de computador de um colunista ou jornalista de um jornal ou revista que insuflam as massas para proferirem todo tipo de impropérios contra uma mulher, mãe e avó.
Conclusão:
Guerrilheiro - Luta para restabelecer um status-quo ilegitimamente violado.
Terrorista - Quer impor a sua vontade ilegitima sobre algo legal.
Por outro lado, a definição de terrorista costuma partir de veículos de comunicação, analistas e opositores à existência do grupo armado.
José Carvalho, Salvador, março de 2015.