quarta-feira, 22 de abril de 2015

A PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF TERCEIRIZOU O GOVERNO?

A estratégia da oposição contra o governo da presidenta Dilma tem sido de promover a confusão para gerar o caos no país.

Se aproveitam da fragilidade do governo face a sua politica fiscal contracionista que tem exigido muito de pequenos e médios empresários, bem como, da classe trabalhadora - ajuste fiscal que tem desagradado ha muitos devido a diminuição da atividade econômica.

O Planalto estava com dificuldades para encontrar um nome para a coordenação política do governo a fim de barrar as derrotas que vinha sofrendo  no Legislativo Federal.

Haja vista que, o presidente da Câmara dos Deputados Federais, Eduardo Cunha -  um desafeto declarado do governo petista - vinha contrariando o governo ao priorizar votações de PL's  que o Planalto não via com bons olhos.

E o presidente do senado federal também dava sinais de sinergia com o seu colega de partido, o PMDB.

A presidente agiu com sabedoria ao convidar o vice-presidente da república e presidente do PMDB Nacional, Michel Temer, para assumir esta função.

A indicação da presidenta serviu para arrefecer os efeitos da crise política - e ao que parece, tem dado certo.

Para a oposição o governo ao fazer isso abriu mão de governar, foi o que declarou o líder dos Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE).

Bom para o governo, ruim para a oposição.

Alguns líderes da oposição e setores empresariais ligados a eles, veem,também, a entrega do comando da economia ao ministro Joaquim Levy como outro indicativo da terceirização do governo.

Mas não seria o ministro Levy o responsável pela nossa riqueza,renda e dinheiro?

Estranho seria se o governo entregasse a nossa economia ao Ministro da Pesca.

O fato do ministro está muito em evidência é porque a sua pasta tem sido mais exigida para se resolver o problema do desarranjo das contas nacionais.

Se estivéssemos em guerra contra inimigos interno ou externo, quem estaria em evidência seria o ministro da defesa, simples assim.

Nessa queda de braço entre governo e oposição quem sai perdendo é o país e ao que tudo indica os oposicionista acreditam que os meios justificam seus fins.

Ou seja, impedir a qualquer custo  uma nova vitória do PT em 2018.

José Carvalho, Salvador, abril de 2015.