quarta-feira, 1 de abril de 2015

O PT E O PREÇO DAS ALIANÇAS FRANKENSTEIN

O Brasil vive momentos turbulentos  no campo politico e econômico.

 A harmonia entre os poderes anda arranhada - basta ver as ultimas votações no Congresso Nacional contra projetos de interesse do governo. 

Os escândalos de corrupção deixam de ser medidos em mil ou milhões e hoje ocupam a casa dos bilhões como se fossem valores voltados para investimentos.

As  alianças que o PT fez no passado com partidos conservadores e os seus coronéis a fim de chegar ao poder as chamadas "Alianças Frankenstein" estão saindo muito cara agora.

Era previsível o desastre que seria uma aliança com o PMDB, um partido de interesses,fisiológico do toma lá, dá cá, que traz a corrupção em seu DNA , um partido que corrompe e é corrompido.

Todos os escândalos que pipocam país afora com a regularidade de um relógio suíço contam com a participação do PMDB. 

Com o governo Dilma fragilizado, o "falso aliado" cuida de asfixiar a sua gestão com o travesseiro da traição - e está conseguindo.

As manifestações previstas em todo país para o dia 12 de abril, sem duvida alguma, vai contar com um numero maior de pessoas em relação a marcha do dia 15 de março porque a economia vai mal, muito mal.

O  mercado está cheio de incertezas, inseguro quanto ao futuro da economia, as vendas em queda, desemprego crescendo, renda do trabalhador diminuindo por causa da inflação.

E o "fogo amigo" do partido que não é nem da direita, nem da esquerda e nem de centro - e quer continuar assim, porque nesta condição de partido coringa é que o PMDB tira vantagem para garantir a "governabilidade" e achacar quem estiver no governo.

É preciso reorganizar o sistema politico brasileiro com honestidade de propósitos através de uma reforma politica de verdade que não permita mais as barganhas que o PMDB faz em nome de uma governabilidade prejudicial ao país.

E o povo precisa aprender a votar.

Como posso eleger alguém a presidente, governador ou prefeito sem lhe garantir maioria em seus respectivos Legislativos?

A solução passa pela educação, e a presidenta lança um novo slogan do seu segundo mandato chamado  "Brasil, pátria educadora" cortando, ao que parece, R$6 bilhões da educação - ai fica difícil o país evoluir.

José Carvalho, Salvador,  Abril de 2015.