quinta-feira, 30 de abril de 2015

POR QUE A PRESIDENTA NÃO DEVE FALAR NO DIA 1º DE MAIO?

Ante a possibilidade da presidenta da republica não vir a se pronunciar na data comemorativa ao 1º de Maio, Dia do Trabalhador, muitas especulações têm sido feitas.

Há os que defendem o pensamento de que devido ao corte de verba publicitária do governo destinada aos meios de comunicação - como rádio e televisão - fizeram os donos da grande mídia nacional preterirem o discurso da primeira mandatária do país em rede nacional. 

Contudo, a Constituição Federal em seu Capítulo V, Art. 223  diz que compete ao Poder Executivo outorgar concessões de rádio e televisão.

Sendo, assim, sempre que achar necessário o representante do executivo federal pode vir a publico para falar a nação em cadeia de rádio e televisão sem nenhum óbice legal por quem explora essas concessões publicas.

Outros alegam o receio de um ruidoso panelaço, justificativa totalmente sem sentido.

O que impede a presidenta Dilma Rousseff de  se dirigir aos trabalhadores brasileiros no dia 1º de Maio é a falta do que ter o que falar.

As MP's 664 e 665 editadas no dia 30 de dezembro do ano passado comprometeram as  relações da classe trabalhadora com o Planalto.

E a política fiscal contracionista posta em prática pelo Ministro da Fazenda Joaquim Levy traz em seu bojo o desemprego, a redução do consumo da classe trabalhadora, a redução de benefícios previdenciários, mudanças nas regras do Seguro do Desemprego, a recessão, a desconstrução dos avanços sociais - politicas que antipatizaram a relação Governo x Trabalhadores.

Se dirigir em rede nacional ao proletariado brasileiro para falar que vetará a PL 4.330/04 vai soar como casuísmo politico ou discurso demagógico.

Costumo dizer que a relação entre quem governa com o povo é baseado em um sentimento condicional e não incondicional, se a economia vai bem as famílias também  vão bem e vai apoiar incondicionalmente quem estiver no poder, caso contrário, a insatisfação popular pode lhe tirar do poder.

A presidenta fará um grande favor aos trabalhadores brasileiros não se dirigindo a eles de mãos vazias neste dia 1º de Maio, querer provar que o quadrado é redondo a fim de  justificar a política fiscal posta em prática pelo seu ministro da fazenda pode ser vista como ofensiva.

Sem assunto, sem discurso - simples assim.

José Carvalho, Salvador, abril de 2015.